a informação essencial
Pub

Município está a construir nova estrutura económica na área das novas tecnologias e indústrias criativas

FOTO: Diana Familiar
FOTO: Diana Familiar
Partilha

A 3.ª edição do TECNET foi dedicada às redes de conhecimentos, alargadas à Península Ibérica. A primeira edição teve como pano de fundo o financiamento às empresas de tecnologia em 2012 e a segunda os planos de negócios em 2014.
O TECNET contou com a presença de 30 Parques de Ciência e Tecnologia (PCT) portugueses e espanhóis, 154 expositores, 102 oradores e 1.431 participantes de 1 a 3 de junho na Torre da Oliva. Os temas debatidos foram inovação, criatividade, empreendedorismo, internacionalização, financiamento, smart cities, indústria 4.0, cibersegurança, automóvel, têxtil, calçado, agroalimentar e turismo.
O evento foi apoiado pela Câmara Municipal (CM) de S. João da Madeira (SJM), copromovido pela SANJOTEC – Parque de Ciência e Tecnologia, PortusPark – Rede de Parques de Ciência, Tecnologia e Incubadoras e TecParques – Associação Portuguesa de Parques de Ciência e Tecnologia.
Uma das intervenções mais esperadas era a do primeiro-ministro António Costa no segundo dia do evento que devido a “um imprevisto de última hora” não pôde estar presente, mas pediu para “transmitir uma mensagem de confiança na nossa economia e de responsabilização do Governo para acompanhar estes projetos de alavancamento económico”, deu a conhecer Maria do Céu Albuquerque, presidente da TECPARQUES.
A ausência de António Costa foi sentida e muito mencionada durante a intervenção de Ricardo Figueiredo. “Naturalmente ele não terá vindo por razões inadiáveis e inultrapassáveis, não foi certamente por falta de coragem ou simpatia, que são duas características que lhe são reconhecidas”, disse o autarca sanjoanense.
O presidente da CM de SJM viria a reconhecer o “empenho” do Governo liderado por António Costa “na economia que advém das novas tecnologias”, “o apoio aos Parques de Ciência e Tecnologia, start ups”, mas, ao mesmo tempo, lamentou que tenha perdido “aqui a oportunidade de perceber porque é que as suas políticas estão a ter sucesso na economia”, referindo-se ao pensamento positivo que permitiu “dar o salto” aos empresários e às empresas.
O primeiro-ministro também terá perdido a oportunidade de saber que o Município sanjoanense diminuiu a dívida de 13 para quatro milhões em quatro anos e, ao mesmo tempo, investiu 20 milhões de euros. Um “feito” que “poderia ser inspirador para o próprio Governo de Portugal”, sugeriu Ricardo Figueiredo.
O Município está a “construir com todos parceiros uma nova estrutura económica, que não é baseada apenas na indústria tradicional certamente inovadora e competitiva no plano global, na área das novas tecnologias e das industrias criativas”, adiantou o presidente, exemplificando com a construção da SANJOTEC, com 50 empresas da área tecnológica, e a Oliva Creative Factory, com 40 empresas na área criativa.
O TECNET é realizado pelos “tecnautas” num “ambiente de ebulição, troca de ideias e descontraído”, constatou Ricardo Figueiredo.
O primeiro-ministro António Costa é “um grande empreendedor, é um homem com um pensamento positivo e não há dúvida que tem capacidade de realização e concretização”, destacou o presidente da CM de SJM, pelo facto de ser um homem capaz de “conceber, montar e de por a funcionar uma geringonça” tal e qual como os “tecnautas”.
As últimas palavras de Ricardo Figueiredo foram dirigidas aos internautas. “O país deposita em vós uma grande esperança e também uma grande confiança” porque “as novas tecnologias realmente são um exemplo e uma inspiração para o resto da economia”, admitiu Ricardo Figueiredo, concluindo com “o vosso sucesso será o sucesso da região, do país e da Península Ibérica”.

Um caminho que tem “muito por ser explorado”
Os Parques de Ciência e Tecnologia têm “um papel importante” nas empresas de novas tecnologias e start ups, representam “investimentos importantes” e “uma nova fase da economia” o que leva ao grande desafio de “criar instrumentos para captar investimentos nas novas estruturas”, assumiu Maria do Céu Albuquerque.
O acordo entre a TECPARQUES e a APCE – Associação de Parques Científicos e Tecnológicos de Espanha foi assinado no primeiro dia do evento com o intuito de criar condições para intercâmbio de estudantes, conhecimento, informação, tecnologia e inovação. O “reafirmar de uma aliança ibérica em torno dos sistemas de inovação e desenvolvimento entre Portugal e Espanha”.
O TECNET é um “bom exemplo para a Europa”, acredita Margarida Marques, secretária de Estado dos Assuntos Europeus, que marcou presença no primeiro dia do evento.
A “melhoria das condições de tecnologias nas universidades, incubadoras, Parques de Ciência e Tecnologia, têm proporcionado uma referência de conhecimento mais considerável para a economia em Portugal”, afirmou Margarida Marques, considerando ser este “o caminho que temos de fazer para acrescentar valor à economia em Portugal”.
Um caminho que tem “muito por ser explorado” pelo que cabe ao Governo e aos governantes “investir em altas tecnologias no nosso país; apoiar a internacionalização das universidades; promover a inovação, o empreendedorismo e as start ups e potenciar a competitividade das empresas”. Por outras palavras, é preciso estarmos preparados para “uma revolução digital com a introdução de novas tecnologias nas empresas e na indústria e apresentar mais oportunidades de negócio de tecnologias e inovação”, concluiu Margarida Marques.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas