a informação essencial
Pub

CDU denuncia problemas com habitação social

FOTO: Diana Familiar
FOTO: Diana Familiar
Partilha

Os edifícios construídos para agentes da PSP, na Rua da Mourisca, na Mourisca, e da GNR, na Rua Bairro do Hospital, na Devesa-Velha, estão maioritariamente desabitados.
Os dois edifícios construídos pelos serviços sociais para agentes da PSP há cerca de 20 anos estão localizados à esquerda da Escola Secundária João da Silva Correia. O primeiro está à face da estrada e o segundo está mais abaixo e tem 16 apartamentos. O primeiro tem cerca de 10 apartamentos livres e o segundo 15 apartamentos livres, segundo os candidatos da CDU Rita Mendes, à Câmara Municipal, e Jorge Cortez, à Assembleia Municipal, nas eleições autárquicas marcadas para 1 de outubro.
Os candidatos da CDU e outros militantes do partido amarraram um cartaz a uma das árvores dos prédios como forma de protesto pelo desaproveitamento destes apartamentos para habitação social durante a conferência de imprensa dada esta segunda-feira.
Os comunistas deram a conhecer um caso semelhante de dois prédios construídos pelos serviços sociais para os agentes da GNR há cerca de 50 anos localizados junto ao Jardim-de-Infância da Devesa-Velha.
Os dois prédios têm seis apartamentos cada um deles. Um tem cinco apartamentos livres, o outro tem quatro.
O principal objetivo é “chamar a atenção desta situação inconcebível relacionada com a Habitação Social em S. João da Madeira”, disse Rita Mendes, candidata da CDU.
Os dois casos foram levados pelos comunistas à assembleia municipal em outubro de 2014. A CDU recomendou à câmara municipal o contacto com os proprietários dos prédios para que fossem incluídos depois de devidamente restaurados na habitação social. Desta forma, o município sanjoanense poderia começar a combater o crescente número de famílias em espera para receber uma habitação social.
A câmara municipal sanjoanense ficou de entrar em contacto com os proprietários dos prédios para negociar a compra dos mesmos. De acordo com o presidente Ricardo Figueiredo, “os responsáveis não se demonstraram de todo disponíveis em ceder” os edifícios da GNR e “não conseguimos dialogar” com os proprietários dos edifícios da PSP na assembleia municipal de dezembro de 2015.

620 fogos de habitação social
A Câmara Municipal (CM) de S. João da Madeira (SJM) “dispõe de cerca de 620 fogos de habitação social, sendo um dos concelhos com maior número de habitações sociais a nível nacional, quer em termos absolutos, quer relativos à população residente. Momentaneamente, poderá haver uma ínfima parte de fogos que se encontre vaga, o tempo suficiente para serem reabilitados e entregues de novo a famílias que se tenham candidatado a habitação social, nos termos definidos na Lei”, informou depois de questionada pelo labor, sem divulgar o número de fogos de habitação social livres e o número de famílias em lista de espera.
“O grande número de fogos e a atratividade da cidade contribuem para acentuar a procura da habitação social do município de SJM, já de si significativa na sequência da crise económica que tem afetado o país, pelo que a câmara vem procurando formas alternativas de resposta, tendo, designadamente, desenvolvido contactos com os serviços sociais da GNR e PSP, proprietários de edifícios da cidade onde se encontram apartamentos devolutos, no sentido de averiguar da possibilidade de recuperar estes fogos e de os colocar à disposição de famílias que se têm candidatado a habitação social, muitas das quais oriundas de outras localidades.  No entanto, não foi possível a obtenção do indispensável acordo das entidades em causa”, adiantou a CM de SJM ao labor.  



CDU visitou as Fontaínhas e contactou a AEJ

Os candidatos da CDU visitaram no dia 4 de junho o lugar de Quintelas nas Fontaínhas.
Eles registaram inúmeros espaços públicos maltratados, inexistência de passeios e a existência de passeios em muito más condições” e “bastantes habitações cuja construção não foi concluída e que se encontram há muitos anos em degradação, sem solução à vista”, segundo o comunicado enviado ao labor.
A CDU defende o “encontrar soluções para estas situações que são frequentes no concelho”, salientando “o facto de existir para o lugar das Quintelas, um Plano de Pormenor, aprovado e publicado há vários anos, mas que até hoje se encontra no ponto zero de execução”.
Os candidatos da CDU estiveram também reunidos com a direção da Associação Estamos Juntos (AEJ).
Um encontro que “tornou claro que a câmara municipal deve olhar esta instituição com mais atenção, dotando-a com melhores equipamentos, resolvendo o problema das piscinas, construindo novos cortes de ténis e garantindo um local coberto para a sua prática durante o inverno. Deve melhorar o espaço da sede e reformular os contratos programa, adequando-os às necessidades do funcionamento das modalidades citadas”, declarou a CDU através de comunicado.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas