a informação essencial
Pub

Esquadra sanjoanense destaca-se pelo “policiamento de proximidade”

FOTO: Diana Familiar
FOTO: Diana Familiar
Partilha

Câmara já comprou um carro hibrido para o programa Escola Segura

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de S. João da Madeira (SJM), de todos os trabalhos levados a cabo - patrulhamento, investigação, fiscalização, entre outros -, destaca-se pelo “policiamento de proximidade”, afirmou o superintendente Serafim Tavares, Comandante do Comando Distrital da Polícia de Aveiro (CDPA), durante a cerimónia comemorativa do 131.º aniversário, quinta-feira passada, na Casa da Criatividade.
A esquadra sanjoanense foi considerada uma esquadra piloto, entre 26 esquadras, em 2006, quando se tornou pioneira na implementação do Modelo Integrado de Policiamento de Proximidade. Neste momento, além do programa Escola Segura, tem os programas Apoio à Vítima, Idosos em Segurança, Comércio Seguro e Operação Férias. Desde 2004, a Escola de Educação Rodoviária existe na esquadra, resultando de uma parceria com a Câmara Municipal de SJM.
Os dados apresentados sobre a criminalidade, atividade operacional e infrações rodoviárias demonstram, no geral, que S. João da Madeira é uma cidade segura. No caso particular das infrações rodoviárias, o caso muda de figura com as infrações muito graves (inclui álcool) terem aumentado de 59 em 2016 para 279 em 2017, ou seja, 372,9%. As infrações leves diminuíram de 5037 para 2789 (menos 44,6%) e o mesmo aconteceu com as infrações graves que passaram de 839 para 575 (menos 31,5%). Juntando todas as infrações rodoviárias, diminuíram de 5935 para 3643, isto é, cerca de 38,6% em SJM.
No campo das atividades operacionais, as operações policiais aumentaram de 211 em 216 para 2016 em 2017 (mais 2,4%). O mesmo aconteceu com o número de viaturas fiscalizadas (4985 em 2016 e 7763 em 2017, mais 55,7%). Já a atividade operacional sobre o excesso de velocidade diminuiu de 337 para 313, ou seja, menos 7,1%. A criminalidade em geral desceu de 604 em 2016 para 527 em 2017, menos 12,7%, em SJM. A criminalidade violenta e grave passou de 26 para 19, menos 26,9%; a proatividade policial aumentou de 24 para 33, mais 37,5%; e o número de detidos aumentou de 29 para 36, mais 24,1%.
Todos estes bons resultados conseguem-se com o elemento humano, as pessoas, que será sempre o “elemento muito importante”, até o mais importante, independentemente dos avanços tecnológicos, dos meios e métodos inovadores, destacou Serafim Tavares, visivelmente emocionado, como forma de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido por todas as hierarquias da PSP do CDPA.
A CM de SJM e a PSP têm uma relação que tem sido marcada pelo “êxito” da segunda no que toca à “proteção de pessoas, bens, Proteção Civil, desenvolvimento de proximidade e solidariedade social”, afirmou Jorge Sequeira, sobre este que considera ser “um parceiro decisivo e fundamental da autarquia, da cidade e das escolas”.
O momento foi aproveitado para anunciar a adjudicação de uma viatura híbrida por parte da autarquia para o programa Escola Segura da esquadra sanjoanense.
O presidente da câmara, Jorge Sequeira, dedicou algumas palavras de agradecimento a dois agentes, digamos “especiais”, na história de SJM. O primeiro é o Agente Principal José Rodrigues, conhecido por “Tonecas”, e um dos rostos do programa Escola Segura em SJM. O segundo é Carlos Duarte, antigo subcomissário da PSP de SJM, que “em 2008 mostrou grande coragem numa operação e proteção do equipamento que colocou em risco a sua vida”. Por último, o autarca sanjoanense desejou a Rosa Maria Gomes, atual comissário da PSP, as “maiores felicidades” no desempenho de uma missão da ONU e que “projete” a PSP, SJM e Portugal.
O aniversário do CDPA marca “mais um ano de dedicação à causa pública e homenagem e reconhecimento do trabalho de homens e mulheres”, reconheceu Luís Farinha, comandante nacional da PSP, salientando este que é um “contributo importante para que Portugal e esta região em particular sejam considerados seguros”.
Luís Farinha anunciou o reforço de equipamentos e viaturas e deixou uma mensagem de “esperança e confiança no futuro”. A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, assegurou o reconhecimento do Governo por todo o trabalho desenvolvido pela PSP, adiantando que a tutela está atenta às “necessidades de investimento” desta força policial.

Cinco agentes sanjoanenses medalhados

A cerimónia de imposição de medalhas distinguiu 21 e a de louvores 19 polícias. Entre estes, cinco polícias integram a esquadra da PSP de SJM.
Uma Medalha de Assiduidade de três estrelas, equivalente a 30 anos de serviço, foi entregue ao Chefe Manuel Amorim e duas de duas estrelas, equivalente a 20 anos de serviço, foram entregues ao Chefe Carlos Moreira e ao Agente Principal Carlos Laranjeira. As duas Medalhas de Comportamento Exemplar de ouro, equivalente a 25 anos de serviço com exemplar comportamento, foram entregues ao Chefe Vítor Canadinhas e ao Agente Principal José Rodrigues.
Para o agente “Tonecas”, o programa Escola Segura foi “dos melhores programas que a polícia criou porque aproximou os alunos e a própria população da polícia”. E não há nada como o tempo para mudar as mentalidades. Se quando a PSP começou o programa Escola Segura, as crianças, temiam os agentes de autoridade, agora eles veem neles um amigo em quem podem confiar. “Se há um problema qualquer a nível pessoal ou na escola, eles já nos procuram para ajudarmos na resolução”, revelou o agente “Tonecas” ao labor.
A distinção atribuída a Vítor Canadinhas representa “mais do que tudo. Claro que ficamos contentes pela dignificação que tem, pelo símbolo, pela representação que depois a polícia tem perante nós”. Ser polícia é “uma profissão como outra qualquer, mas esta mais do que outras tem outra componente, o lidar com o cidadão é um acréscimo de responsabilidade quando lidamos com direitos e liberdades das pessoas”, concluiu o Chefe Vítor Canadinhas.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas