a informação essencial
Pub
Partilha

O cantor, compositor, poeta, intérprete e distinto pianista esteve pela primeira vez na cidade há 37 anos

Tags

Jorge Palma dedicou canção à “Gente de S. João”

FOTO: Direitos Reservados
FOTO: Direitos Reservados
Partilha

O cantor, compositor, poeta, intérprete e distinto pianista esteve pela primeira vez na cidade há 37 anos

Um certo espetáculo foi apresentado em 1980 no auditório municipal, a melhor sala de espetáculos da altura em S. João da Madeira. O espetáculo certamente marcou tantos quantos o foram ver, mas maior marca terá sido deixada depois pela atuação do então jovem Jorge Palma.
Sim, é verdade. Foi há 37 anos que o cantor, compositor, poeta, intérprete e distinto pianista esteve pela primeira vez em S. João da Madeira.
Tudo começou com um grupo de amigos que teve a ideia de teatralizar o poema “Invenção do Amor” de Daniel Filipe, levando ao nascimento do grupo “Semente” composto por cerca de 20 jovens.
O grupo de jovens com idades entre os 16 e os 17 anos eram nada mais nada menos do que “as irmãs e irmãos mais novos do nosso grupo de amigos e amigos, que nos viam a nós, mais velhos, com diferenças de idade de cerca de quatro a cinco anos como uma espécie de referência”, explicou Teresa Correia, diretora do Centro de Emprego de S. João da Madeira e um dos elementos do grupo de jovens mais velhos que “influenciou”, na altura, os jovens do grupo “Semente” na escolha dos autores, da música, coreografias. 
Curiosamente, nessa altura, em que um grupo de jovens sanjoanenses brotava para a cultura, “não havia bares em S. João e os encontros eram em casa uns dos outros”, destacou Teresa Correia, sublinhando a importância deste facto. E assim nasceu o “Semente” de uma forma “completamente espontânea e amadora” cujos ensaios eram no salão em casa dos avós, Luísa e António Melo Tavares, de Teresa Correia, no largo da Biblioteca Municipal sanjoanense, “um lugar que marcou muitas gerações”. “O espetáculo era todo feito por nós, desde a ideia, aos cenários, coreografias, as músicas, som, luz, etc”, complementou.
A ideia de teatralizar o poema “Invenção do Amor” de Daniel Filipe levou a uma outra. A de trazer Jorge Palma, “de quem já se começava a ouvir falar, que tinha umas músicas com as quais nos identificávamos e tinha aquela canção ´O Bairro do Amor´ que combinava na perfeição com o poema do Daniel Filipe”, contou Teresa Correia ao labor.
Ele aceitou o convite do grupo sanjoanense, cantou no auditório municipal e ficou alojado na Pensão Solar S. João na Praça Luís Ribeiro. “Depois andámos por aí a passear, numa 4L, até o levarmos no final do dia à estação de Espinho”, relatou a sanjoanense ao labor.
O dia em que Jorge Palma veio pela primeira vez à “cidade do trabalho” foi “tão especial que ele nos dedicou uma canção “Gente de S. João””, confessou Teresa Correia, dando a conhecer parte dela: “...erámos seis e mais a força do coração, nesse fim de tarde com gente de S. João” (Luísa Correia, Pedro Pinto Oliveira, Regina Pinho, Rosário Correia, Teresa Correia, e Jorge Palma).
O único senão desta história é não haver outros registos para além de algumas fotos, confidenciou Teresa Correia, ao labor.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas