a informação essencial
Pub
Partilha

O novo presidente da câmara é Jorge Sequeira acompanhado de Irene Guimarães, Paula Gaio, José Nuno Vieira e Pedro Silva. Do lado da oposição estará Paulo Cavaleiro e Fátima Roldão pelo PSD/CDS

Tags

PS venceu com maioria absoluta as eleições autárquicas

FOTO: Rui Guilherme
Partilha

O novo presidente da câmara é Jorge Sequeira acompanhado de Irene Guimarães, Paula Gaio, José Nuno Vieira e Pedro Silva. Do lado da oposição estará Paulo Cavaleiro e Fátima Roldão pelo PSD/CDS

O PS venceu pela primeira vez com maioria absoluta os três órgãos autárquicos – Câmara Municipal (CM), Assembleia Municipal (AM) e Assembleia de Freguesia (AF) – em S. João da Madeira (SJM) nas eleições autárquicas realizadas a 1 de outubro de 2017.
Os socialistas venceram as 18 mesas de voto sempre com uma grande diferença de votos em relação ao principal adversário, a coligação PSD/CDS, “Maioria por S. João”.
O candidato socialista Jorge Sequeira conquistou 6.148 votos (57,75%) na CM e o PSD/CDS 3.579 (33.62%) dos votos. A CDU arrecadou 446 votos (4.19%), o PAN 204 (1.92%) e o Bloco de Esquerda 268 (2.52%) na CM. Contas feitas, o PS conseguiu eleger cinco e o PSD/CDS dois mandatos num total de sete.
O novo presidente da câmara é Jorge Sequeira acompanhado de Irene Guimarães, Paula Gaio, José Nuno Vieira e Pedro Silva mais conhecido como “Perrinha”. Por sua vez, a coligação apenas elegeu dois elementos, o próprio candidato Paulo Cavaleiro e Fátima Roldão. As candidatas socialistas Clara Reis à AM e Helena Couto à AF também foram eleitas para estes órgãos por maioria absoluta, destronando assim os candidatos Pedro Ventura e Deolinda Nunes à AM e AF, respetivamente, pelo PSD/CDS.
As primeiras mesas estavam a ser apuradas depois do fecho das urnas pelas 19h00 quando os resultados começaram a ser favoráveis à candidatura socialista. Enquanto uns estavam a começar a acreditar que podiam vencer as eleições, outros decidiram manter uma postura sem alaridos até que tal fosse confirmado com a contagem de todos os votos das 18 mesas de voto. A partir do momento em que é conhecido que o PS vencia mais de metade das mesas de voto, o clima começou a ser de festa na sede de campanha socialista. Mais tarde, quando o candidato Jorge Sequeira chegou à sede de campanha estava mais do que certo que tinha ganho as eleições. Pouco depois recebeu a confirmação de que seria com maioria absoluta em todos os órgãos. Pelo meio, Jorge Sequeira recebeu o telefonema do adversário Paulo Cavaleiro a felicitá-lo pela vitória. Por esta altura, as palavras de ordem eram “PS” e “vitória histórica” em SJM dentro e fora da sede de campanha onde estavam concentrados candidatos, militantes, simpatizantes e até curiosos.
O candidato socialista mudou os planos traçados para discursar no interior da sede de campanha. O discurso de Jorge Sequeira foi feito na Rua da Liberdade junto de todos que estavam lá para festejar a vitória histórica socialista em SJM.

“Saberemos gerir a maioria absoluta sem arrogância, prepotência, e com humildade”

“A vitória não é do PS, é uma vitória da cidade através da vitória do PS”, começou por dizer Jorge Sequeira acompanhado de palmas e da euforia de todos os presentes.
“Vamos demonstrar que é possível fazer política de modo diferente. Nós ganhamos porque demonstramos que é possível fazer política de forma diferente e vai continuar a ser assim”, continuou o candidato socialista.
O dia 1 de outubro “é um dia histórico para SJM, para os socialistas. O trabalho começa agora, a nossa responsabilidade começa agora. Não vamos descansar, vamos continuar a lutar”, assumiu Jorge Sequeira, dedicando a “vitória histórica” a “Josias Gil, João Araújo, António Pires e a todos os camaradas do partido socialista que não conseguiram ver este dia e que esperavam por este dia há muitos anos”. O candidato socialista também dedicou a vitória “a todos os candidatos do PS que me antecederam, a todos sem exceção, e ao nosso querido mandatário Pedro Nuno Santos”.
Jorge Sequeira saudou as candidatas Clara Reis e Helena Couto pela vitória na AM e AF, respetivamente, e logo a seguir revelou que recebeu um telefonema de saudação pela vitória do PS de SJM do secretário-geral do partido António Costa. O candidato socialista também agradeceu e enalteceu o telefonema do adversário Paulo Cavaleiro, a quem deixou uma saudação e um cumprimento perante todos os presentes.
O novo presidente da câmara, Jorge Sequeira, venceu com maioria absoluta, mas “vamos trabalhar com todos e vamos contar com todos porque essa é, foi e será a cultura democrática do nosso partido”, assegurando que “vamos demonstrar o melhor do ADN do PS, saberemos gerir a maioria absoluta sem arrogância, prepotência, e com humildade, ouvindo todos”.
O candidato socialista agradeceu a todos desde independentes, militantes, apoiantes, ao PS, à JS, responsáveis de campanha, aos membros da comissão de honra e de apoio, e por último, mas não menos importante, um agradecimento à família.
O PS recebeu o voto de confiança dos sanjoanenses e “o trabalho, como disse há pouco, o trabalho vai começar agora. Vamos ter uma AM Jovem, uma hora de educação física por dia, um Plano Diretor Municipal para o Outeiro e para o Roupal. Vamos mesmo concretizar o nosso programa”, afirmou Jorge Sequeira.
O discurso do candidato socialista terminou com a certeza de que “vamos agora arregaçar as mangas, vamos à luta, vamos transformar SJM numa cidade melhor. Viva SJM, viva o PS”.

“Vamos ter a colaboração da câmara coisa que nunca tivemos”

“SJM ganhou com esta vitória. É uma equipa muito forte, muito apostada em mudar a cidade para melhor e vai mudar a cidade para melhor certamente”, acredita Clara Reis.
A nova presidente da AM “esperava” uma vitória porque “acreditei desde sempre no candidato Jorge Sequeira, na equipa e na reação das pessoas. Acreditei sempre que ia ser uma grande vitória, mas tão expressiva como esta não”.
Uma das primeiras ideias da equipa socialista é mudar a AM “para que as pessoas aprendam que têm o dever e a obrigação de participar de forma cívica na sua cidade e que isso se aprenda desde muito cedo. Para que toda a gente vá começando a participar numa ação política pela positiva e a fazer da cidade aquilo que querem dela”.
A candidata socialista Helena Couto venceu a junta de freguesia em 2013. Os sanjoanenses decidiram voltar a depositar o seu voto de confiança de forma muito mais expressiva em Helena Couto em 2017. O que “é ótimo”, disse Helena Couto momentos depois dos resultados das eleições serem oficiais. “É um reconhecimento do nosso trabalho. Quer dizer que fizemos um bom trabalho e de acordo com aquilo que as pessoas precisam. Temos o voto de aprovação dos sanjoanenses e muito mais ânimo para continuar a trabalhar e cada vez melhor”, assumiu. “Para nós é uma grande alegria não só termos vencido a junta de freguesia, mas também todos os órgãos autárquicos. Para nós é o 25 de abril em SJM porque na verdade termos o PS a governar nos três órgãos era uma ansiedade de muitos anos”, revelou Helena Couto. A presidente da junta reeleita acredita que “podemos mostrar aos sanjoanenses que nos deram o voto de confiança que é diferente uma gestão socialista, como foi na freguesia. Vão todos ver a diferença. Os sanjoanenses sabem o que querem. Por isso, é que nos deram este voto de confiança”.
A junta de freguesia sanjoanense entende que daqui em diante tem condições para “fazer um trabalho completamente diferente e muito mais profundo porque vamos ter a colaboração da câmara coisa que nunca tivemos. Podemos ter uma transferência de competências coisa que nunca tivemos, podemos ter uma outra série de coisas e podemos como na verdade sempre quisemos funcionar que era como um parceiro da CM”, revelou Helena Couto, considerando que “a junta de freguesia tem um papel muito importante e pode ajudar imenso a CM”. Para tal, “como sempre disse ao longo deste mandato, é preciso que haja esse diálogo que nunca houve, com a vitória do PS esse diálogo é possível”. Por esta razão, “não tenho dúvidas de que vai ser possível fazer muito mais e muito melhor por SJM”, salientou Helena Couto.

“Fez-se história hoje no PS e em S. João da Madeira”

A vitória com maioria absoluta dos socialistas é “uma vitória muito saborosa. Uma grande vitória do partido socialista, dos sanjoanenses”, afirmou Pedro Nuno Santos, mandatário da candidatura de Jorge Sequeira. “Os partidos têm de respeitar o povo e foi isso que o PS fez quando apresentou um grande candidato como o Jorge Sequeira, o povo retribuiu e o PS ganhou”, constatou Pedro Nuno Santos, confessando, “espero que o Jorge Sequeira consiga transformar SJM na melhor cidade do país para se viver”.
Os socialistas estavam “à espera de uma vitória, obviamente que sim, não com tanta expressão, confesso, é verdade, mas isto só demonstra que os sanjoanenses estão atentos e queriam muito a mudança”, confidenciou Rodolfo Andrade, líder do PS de SJM, salientando que “o programa e a equipa que o partido socialista apresentou são de confiança e vão dar motivos aos sanjoanenses para sorrir”.
Na sua opinião, “a vitória é o conjugar de todos estes fatores” desde “a equipa, o programa, os candidatos, a conjuntura atual proporcionada pelo PS, a campanha maravilhosa que o PS fez”. A vitória histórica conquistada pelo PS de SJM sob a liderança de Rodolfo Andrade é motivo de “um grande orgulho, uma grande alegria. Fez-se história hoje no PS e em SJM”.
O líder socialista acredita que a mudança começou a ser sentida quando “o PS teve uma ascensão em três ou quatro meses brutal. É um momento histórico para o PS, para a cidade e que me enche de orgulho e de satisfação e dá-me a certeza que todo o trabalho que fizemos neste último ano e meio para cá foi bem feito. Não há duvidas. Temos a certeza disso e vamos continuar a fazer esse trabalho no PS e nos órgãos autárquicos à frente da cidade”.

“Ninguém deve ter medo da mudança porque a mudança traz sempre coisas positivas”

Momentos depois de serem conhecidos os resultados finais as palavras escasseavam a Irene Guimarães. “Estou demasiado feliz para dizer o que quer que seja. Estou com o Jorge Sequeira, acreditei no projeto dele desde o momento em que ele me convidou para fazer parte desta equipa, trabalhei imenso, articulando com a escola, com o trabalho que tenho com os meus alunos, foi um trabalho árduo, intenso, mas valeu a pena. Estou muito feliz”, reagiu a independente e número dois na lista do PS à CM.
“Acho que a nossa equipa é uma equipa fantástica. Fizemos uma campanha muito trabalhosa, mas honrada por princípios da democracia, que têm a ver com aqueles que vejo também no Jorge Sequeira. Uma pessoa humilde, honesta, muito determinada, muito trabalhadora e que põe em tudo aquilo que faz, diz e pensa – tenho a certeza – SJM”, salientou Irene Guimarães.
“Estou muito, muito confiante e tenho a certeza que a equipa do executivo camarário, da AM e da junta de freguesia vão fazer um excelente trabalho por S. João da Madeira”, continuou. A vitória expressiva dos socialistas foi ao encontro do sentimento de mudança muitas vezes mencionado pelo candidato Jorge Sequeira.
“Aliás, o Jorge Sequeira dizia muitas vezes em campanha que em todas as organizações é necessário que haja a mudança e isso cria sinergias positivas e isso vai ser muito bom, vamos trabalhar para isso”, confirmou Irene Guimarães, assumindo este novo desafio com “muito empenho, muito trabalho e muita dedicação”.
As primeiras palavras de Paula Gaio, independente e número três na lista do PS à CM, foram de agradecimento “aos sanjoanenses pela confiança demonstrada. Foi um trajeto difícil em que tivemos de contar com as pessoas que queriam para SJM algo diferente, um projeto arrojado, mudar o rumo da cidade”. A estreia de Paula Gaio na vida política tem sido marcada pelo “entusiasmo” que vai ser transformado “em empenho e vou-me dedicar-me ao trabalho em conjunto” com a equipa socialista. Uma equipa que “vai ser uma equipa maravilha e tentaremos fazer o melhor em conjunto e cumprir tudo aquilo a que nos propusemos”, concluiu Paula Gaio.
O engenheiro José Nuno Vieira, número quatro da lista socialista à CM, classificou esta vitória como “uma vitória histórica. O PS há mais de 40 anos que não conseguia vencer em SJM. Penso que só conseguiu uma vez após o 25 de Abril. Acho que foi um sinal forte dos sanjoanenses que pretendiam mudar. Já eram as mesmas pessoas há muitos anos. Penso que é positivo, tudo tem os seus ciclos e penso que a mudança é positiva. Acho que ninguém deve ter medo da mudança porque a mudança traz sempre coisas positivas”. Neste novo desafio, “podem esperar rigor, competência e podem esperar a minha dedicação máxima à cidade”, admitiu José Nuno Vieira.
O quinto elemento da lista socialista à CM é Pedro Silva, mais conhecido como “Perrinha”, que de todos era aquele a quem se previa menor probabilidade de ser eleito. O que era à partida impossível porque era esperada uma eleição disputada, acabou por acontecer com a eleição de cinco elementos socialistas para a CM.
Neste novo desafio, o primeiro passo é “conhecer esta realidade nova, o que é preciso fazer e estar ao dispor para aquilo que a equipa me entregar”, assumiu o independente Pedro Silva. “Quero ser útil à cidade, contribuir a confiança que o partido depositou em mim, ganhou SJM e é o que tenho em mente e em coração”, assumiu o independente. A vitória do PS em todas as mesas de voto foi “uma surpresa para mim. Tinha confiança na nossa equipa e no nosso trabalho, mas 18 a zero é uma vitória muito forte”, indicou Pedro Silva.

A reação da noite eleitoral

“Senti na campanha que a mudança estava a chegar”

“A vitória é da cidade, é do partido socialista. É um momento absolutamente inovador e histórico em SJM. Mas esta vitória dá-nos sobretudo uma grande responsabilidade e dá-nos a responsabilidade de mostrar que podemos fazer política de modo diferente e que podemos cumprir o nosso programa. A mim o que me importa mais do que celebrar é assumir a responsabilidade que uma larga vitória destas no dá e reiterar os compromissos que assumimos perante os sanjoanenses e dizer que vamos demonstrar que é possível ter maioria absoluta e governar sem arrogância, sem prepotência, com humildade e com respeito por todos.
Estava à espera de uma vitória clara, mas não vaticinava qualquer resultado em especial, mas senti na campanha, senti mesmo na campanha, que a mudança estava a chegar. E foi por isso que falei em mudança porque as pessoas falavam comigo, falavam com honestidade. Podem contar com tudo o que está escrito no programa e com tudo o que disse individualmente a cada uma das pessoas. Os funcionários da câmara vão ser os meus colegas de trabalho, todas as associações vão ser envolvidas, vou participar nos conselhos gerais dos agrupamentos escolares, vou trabalhar em rede na ação social, podem contar que vou cumprir os meus compromissos”, Jorge Sequeira, o novo presidente da CM de SJM.

PS não vencia a câmara há 40 anos

A primeira e única vez que o PS venceu as eleições autárquicas em SJM corria o ano de 1976. O candidato eleito foi Benjamim Valente, o primeiro presidente depois do 25 de abril. Ele governou a cidade sanjoanense entre os anos de 1977 e 1979, aprovou o Plano Geral de Urbanização do concelho, iniciou o arranjo do Parque Municipal Ferreira de Castro, a construção do cemitério n.º 3, lançou a educação pré-escolar e assegurou a construção de uma CERCI.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas