a informação essencial
Pub
Partilha

As listas são apresentadas até ao fim do mês

Tags

Assembleia Municipal Jovem “estreia” em março na cidade

FOTO: Diana Familiar
Partilha

As listas são apresentadas até ao fim do mês

A primeira sessão da Assembleia Municipal Jovem (AMJ) está marcada para o dia 21 de março e a segunda para o dia 6 de junho, ambas pelas 14h30, no Fórum Municipal.
As listas concorrentes à AMJ podem ser apresentadas até ao dia 31 de janeiro, a campanha eleitoral e a defesa do programa de cada uma das listas realiza-se de 1 a 7 de fevereiro e a eleição da lista representante de cada um dos três Agrupamentos de Escolas e do Centro de Educação Integral (CEI) está marcada para o dia 9 de fevereiro. Os resultados de cada uma das eleições serão participados a Clara Reis, Presidente da Assembleia Municipal (AM) e que presidirá a AMJ até ao dia 15 de fevereiro.
A AMJ é uma iniciativa da responsabilidade da AM que, em articulação com a Câmara Municipal (CM) e as escolas sanjoanenses, levará a cabo este projeto dirigido a todos os alunos, desde o 4.º ao 12.º ano, com o intuito de promover o seu papel cívico e a sua intervenção social.
Os jovens, tal como os deputados, terão a oportunidade de apresentar, debater e refletir sobre temas relacionados com S. João da Madeira (SJM) na presença do presidente da câmara Jorge Sequeira, dos vereadores com funções executivas e dos vereadores da oposição, podendo, assim, acompanhar, questionar e colaborar na ação desenvolvida pelo executivo eleito para governar os destinos da cidade.
O tema “Eu e os Outros na minha escola e na minha cidade” é o tema escolhido para a primeira edição deste projeto em SJM. Os 36 jovens eleitos, nove de cada um dos três agrupamentos e do CEI (dois do 1.º ciclo, dois do 2.º ciclo, dois do 3.º ciclo, dois do secundário e um independentemente do ciclo), terão a oportunidade de participar, gratuitamente, numa visita de estudo, com a duração de dois dias, à Assembleia da República, e com passagem pela Fortaleza de Peniche, antiga prisão política e símbolo de resistência à ditadura do Estado Novo.

“Pode transformar os jovens em cidadãos mais exigentes, críticos e responsáveis”

A AMJ foi um dos projetos apresentados por Jorge Sequeira durante a sua campanha eleitoral cuja bandeira era a Educação e a missão ter “Uma Visão de Futuro” para SJM. Este é “um projeto de futuro para SJM” que visa “ensinar e dar a oportunidade de os jovens praticarem e participarem na democracia”, disse o presidente da câmara durante a apresentação da AMJ, no dia 22 de janeiro, na Oliva Creative Factory.
A AMJ terá três sessões anuais em que os jovens eleitos terão a oportunidade de “controlar e fiscalizar” a atividade do presidente da câmara e vereadores, afirmou Jorge Sequeira, reparando que apenas uma sessão anual seria “um ritual de fingimento”.
O novo executivo camarário tem “muita fé” neste projeto que “pode a longo prazo qualificar e transformar os jovens em cidadãos mais exigentes, críticos e responsáveis”, revelou o presidente da câmara, considerando, uma vez mais, este projeto como “um projeto voltado para o futuro, um futuro melhor”.

Geração da repressão vs. Geração da liberdade

A apresentar o projeto AMJ estavam duas gerações diferentes. De um lado, Clara Reis, que cresceu numa sociedade em que “não podia participar politicamente” porque era “perigoso”. Do outro, Jorge Sequeira, representante da geração seguinte que “tinha a voz, um papel e uma obrigação de contribuir para a conservação da liberdade”, constatou Clara Reis.
Agora, enquanto presidente da AM, deve ensinar aos jovens que têm direito a ter uma voz, a preservar a sua liberdade e a contribuir através das suas opiniões para o desenvolvimento da cidade, acrescentando uma outra batalha que é o combate à abstenção.
Clara Reis é “professora e educadora por natureza e isto é uma forma de educar os jovens para a cidadania”.
A presidente da AM quer “dinamizar a cidade” e “representar a vontade do povo”, fazendo desta sua liderança “uma marca pessoal” e com a qual ficaria “contente” se de sessão para sessão aumentasse o número de pessoas que participa e assiste às assembleias municipais.
Por último, Clara Reis reconheceu que a AMJ só poderá ter sucesso devido à colaboração das escolas e dos professores – “os nossos heróis” – que “põem a mudança a funcionar” em SJM. O projeto AMJ vai “correr muito bem”, concluiu a vereadora da Educação Irene Guimarães.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas