a informação essencial
Pub
Partilha

Harvy Santos também mostrou os seus chapéus no Museu da Chapelaria

Tags

Amber Aurèle apresentou coleção em exclusivo no Museu do Calçado

FOTO: Diana Familiar
FOTO: Diana Familiar
FOTO: Direitos Reservados
Partilha

Harvy Santos também mostrou os seus chapéus no Museu da Chapelaria

As exposições "Oito Estações" de Harvy Santos e "Caminhando no País das Maravilhas" de Amber Ambrose Aurèle estão desde o dia 8 de abril, domingo passado, no Museu da Chapelaria e no Museu do Calçado.
A apresentação dos trabalhos destes dois designers nestes dois espaços culturais de S. João da Madeira marca a sua estreia em Portugal.
No caso de Amber Ambrose Aurèle a estreia é a duplicar com a apresentação de sapatos produzidos desde 2012 até à sua última coleção que está a ser apresentada em exclusivo no Museu do Calçado em S. João da Madeira. "A última coleção ainda não foi apresentada em lado nenhum", deu a conhecer a jovem designer holandesa durante a inauguração da sua primeira exposição individual "Caminhando no País das Maravilhas".
Os sapatos de Amber Aurèle Ambrose contam sempre uma história sobre a "relação entre a arte e moda" com "a mulher – a frágil, a forte, a inocente, a sedutora - a ter um papel muito importante", explicou aos presentes.
"Uma mulher de salto alto é mais perigosa que uma arma carregada" é assim que começa o testemunho da designer holandesa sobre os seus sapatos no catálogo da exposição "Caminhando no País das Maravilhas".
"Crio para a minha musa, que é corajosa o suficiente para ser ela própria: quer seja uma femme fatale ou uma femme fragile. As minhas criações estão constantemente a tentar definir o contraste entre femmes fatales e femmes fragiles., características que todas as mulheres possuem, na minha opinião. Uma mulher tem dois lados, assim como a luz não pode existir sem a escuridão, o calor sem o frio e o bem sem o mal. Contraste é pureza", acredita Amber Ambrose Aurèle.

"Fiquei literalmente louco por chapéus e simplesmente não parei de os criar"
O jovem Harvy Santos, designer de chapéus e toucados, nasceu nas Filipinas, mas está a viver em Londres. A exposição "Oito Estações" apresenta todos os chapéus e toucados produzidos desde 2013 até 2017.
Antes de tudo é preciso entender que este é "o mais jovem de sete filhos. Harvy cresceu com diversas influências culturais, incluindo as carreiras no teatro e no cinema dos irmãos mais velhos, as espetaculares e emotivas procissões Marianas de devoção católica e os videos musicais de Janet Jackson", que, para quem não sabe, inspiraram-no a "frequentar a Escola de Dança do Centro Cultral das Filipinas", lê-se no catálogo da exposição.
O percurso de bailarino continuou com o corpo de bailado Ballet Philippines e ao ganhar uma bolsa de estudo integral para a Academia de Artes Performativas de Hong Kong. Após a formatura, Harvy Santos integrou a Companhia de Bailado de Hong Kong, dançando em todas as grandes produções durante seis temporadas, incluindo digressões pela Europa, Estados Unidos da América e Austrália.
O Harvy bailarino sempre coexistiu com o Harvy designer durante o seu percurso até que decidiu em 2005 dedicar-se ao design por completo. Em 2008 mudou-se para Londres e focou-se exclusivamente em chapéus e acessórios para a cabeça. Até então: "Como ele próprio o diz: Fiquei literalmente louco por chapéus e simplesmente não parei de os criar", segundo o catálogo.
Simplesmente, "amo fazer chapéus", afirmou Harvy Santos aos apresentes na inauguração de "Oito Estações". Acima de tudo "gosto que as pessoas tenham uma ´festa´" que é como quem diz diversão "na sua cabeça" através dos seus chapéus.
Ambas as exposições podem ser visitadas até ao dia 23 de setembro nos museus da Chapelaria e do Calçado.

"O sucesso da cidade deve-se à indústria"
"S. João da Madeira é a terra dos chapéus e do calçado. Portanto, o sucesso da cidade deve-se à indústria", começou por dizer Jorge Sequeira, presidente da câmara, na inauguração destas exposições que visam dar a conhecer os trabalhos dos dois designers internacionais e, ao mesmo tempo, "homenagear os empresários e os operários" das indústrias dos chapéus e do calçado.
Tanto Amber, como Harvy são "criadores que interpretam de forma simgular" os sapatos e os chapéus e toucados, respetivamente, e autores de "trabalhos de altíssima qualidade", considerou o autarca sanjoanense.
O ciclo "Criar Entre Mundos. Da Cabeça aos Pés" começa com estas duas exposições que colocam em evidência "a importância da identidade cultural de qualquer um dos designers" que mostram ao longo das mesmas "o quanto as raízes de identidade e culturais são importantes nos trabalhos que fazemos", constatou Suzana Menezes, Chefe de Divisão de Cultura da Câmara Municipal de S. João da Madeira.
Os chapéus e toucados de Harvy Santos e os sapatos de Amber Ambrose Aurèle "não existem por si só" porque foram “sobretudo criados para que outras mensagens e conteúdos sejam desenvolvidos", informou Suzana Menezes aos presentes, terminado com um agradecimento a toda a equipa e pessoas envolvidas na construção das exposições e aos próprios designers pelo voto de confiança em apresentarem as suas criações diretamente de S. João da Madeira para o mundo.


Designer Holandesa doou par de sapatos
O par de sapatos doado por Amber Ambrose Aurèle, designer holandesa, faz parte de "Line Composition. Uma homenagem ao Movimento Artístico Holandês de Stijl" em 2017, ano do 100.º aniversário da primeira edição da revista De De Stijl publicada por Theo van Doesburg, Bart van der Leck e Piet Mondriaan.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas