a informação essencial
Pub

Helena Osório lança primeiro livro de poesia

Partilha

A “escritora lusíada”, como lhe chamou o poeta e também o autor do prefácio do seu livro, José Valle de Figueiredo, escolheu a cidade e a Poesia à Mesa para se estrear no mundo da poesia
"Experiências da alma por trilhos de sal com pimenta" é o primeiro livro de poesia de Helena Osório e foi lançado, na última quinta-feira, em S. João da Madeira.
A escritora nascida em Angola e com raízes familiares beirãs fez questão de apresentar em primeira mão os seus 61 poemas, alguns com “um quê de sensualidade”, que escreveu em 2015 tendo o mar como inspiração, na cidade onde tem lugar a Poesia à Mesa. Evento que, como disse em exclusivo ao labor, já conhecia por intermédio de “amigos” que “me trouxeram à Peregrinação Poética” e que quis “inserir na apresentação deste livro” “porque tem de haver uma compreensão, um entendimento, uma sensibilidade” por parte do público.
Helena Osório associou-se assim à Poesia à Mesa, levando Suzana Menezes, chefe da Divisão da Cultura da autarquia, a agradecer, no passado dia 30, a sua “generosidade” e também a “puxar a brasa à sua sardinha”: “O evento está a ganhar importância a nível nacional”.
Com prefácio do poeta José Valle de Figueiredo e posfácio do escritor e narrador berbere Mohamed M. Hammú, ambos também presentes na Biblioteca Municipal (BM) Dr. Renato Araújo, este poemário apresenta ainda diversas fotografias que ilustram o Atlântico, da autoria de Alberto Plácido, fotógrafo marinheiro ligado à Galeria Arthobler em Zurique.
A BM sanjoanense encheu-se de alguns nomes conhecidos do mundo literário, mas também de ilustres desconhecidos – sanjoanenses e gentes de outras paragens - que, apesar do mau tempo, quiseram conhecer de perto Helena Osório e esta sua mais recente obra. E ao fazê-lo foram surpreendidos por Sofia Paiva, da Academia de Música de S. João da Madeira, e a sua viola. E ainda pela própria poetisa que, sem estar a contar e mesmo rouca, acabou por ceder à vontade da assistência e cantar um fado, deixando embevecido quem a ouviu.
Em S. João da Madeira a autora apresentou um “mar de interiorização, em que invoco todas as pessoas que me acompanharam e fizeram o que sou” e, por conseguinte, “a minha alegria misturada com nostalgia que vim buscar ao mar”.

Escritora quer musicar poemas

O tamanho grande do livro, parecendo uma “partitura”, não foi escolhido ao acaso. Helena Osório quer cantar estes “poemas que não são meus” e que “fui obrigada a escrevê-los” em caminhadas por praias da Foz do Douro, porto de abrigo da “escritora lusíada” (como lhe chamou José Valle de Figueiredo) que evoca no horizonte o mar-berço de Angola - o mesmo Atlântico que lhe proporcionou duas vidas numa.
"Experiências da alma por trilhos de sal com pimenta" e a próxima série de poemas, igualmente sobre a natureza, que ainda vai compilar vão ser, pois, musicados. E, nesse sentido, a docente e jornalista já está a trabalhar com dois músicos de guitarra clássica e guitarra portuguesa e contrabaixo para, em princípio “dentro de dois meses”, “cantarmos os meus poemas em alguns eventos”, conforme adiantou ao jornal.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas