a informação essencial
Pub
Partilha

Tags

Este texto é só para indecisos

Partilha

O acto eleitoral do próximo domingo é de suma importância para S. João da Madeira, a nossa amada cidade. Ele vai determinar o nosso futuro no momento em que se deu o arranque económico do nosso país e em que voltará a haver capacidade para fazer novos investimentos na autarquia, para crescer economicamente, para melhorar as condições sociais da nossa cidade, ou seja, num momento em que voltará a ser possível fazer opções públicas para todos vivermos melhor.
Para isso, a capacidade de fazer opções e de liderar essa concretização é fundamental.
Todas as cidades vão competir arduamente por isso no acesso aos fundos públicos, na atracção de empresas, de empregos, e de pessoas.
A preparação do nosso futuro começa, pois, a partir de domingo.
A escolha do novo Presidente da Câmara está muito renhida – praticamente empatada. A decisão recairá em Jorge Sequeira do PS ou em Paulo Cavaleiro do PSD.
Daí que este texto tenha destinatários específicos. Por isso:
Se os leitores já decidiram que vão votar no PS e em Jorge Sequeira, não precisam continuar a ler o que se segue, a não ser que queiram reforçar os argumentos para essa acertada decisão.
Se já decidiram que vão votar no PSD e em Paulo Cavaleiro, passem à frente e não continuem a ler porque o que aí vem não vos vai agradar.
Se já decidiram votar noutros candidatos, V. Exas. não são decisivos para nada – existem apenas para que a nossa democracia funcione melhor e se enriqueça, seja mais plural e tenha mais opiniões, mas não decidem nada em concreto. Por isso, não precisam de perder tempo e podem também passar à frente.
Se ainda não decidiram em quem vão votar, é mesmo convosco que eu queria falar. Muito obrigado pela vossa atenção. A minha pretensão é dar-vos alguns contributos e argumentos para se decidirem a votar em Jorge Sequeira e no PS.
É que a actual situação coloca nas mãos dos indecisos a grande responsabilidade de decidir quem vai ser o próximo Presidente da Câmara. Paradoxalmente, são os indecisos quem vai decidir isto.
Quando queremos fazer uma opção sobre quem queremos para Presidente da Câmara devemos fazer, por um lado, uma análise isolada de cada candidato e avaliar as suas características e qualidades próprias, o contexto em que ele se apresenta e o conteúdo das suas propostas. Mas, por outro, também teremos que fazer uma análise comparativa com as qualidades do candidato alternativo. Ou seja, podemos concluir que um candidato é bom, mas devemos ponderar também: “Será que o outro é ainda melhor?”
É este percurso que eu gostaria de fazer resumidamente com a benevolência da vossa atenção.
Na minha opinião Jorge Sequeira é um excelente candidato e dará um fabuloso Presidente da Câmara para a nossa cidade. As suas características pessoais são extraordinárias: inteligência, elevada cultura, conhecimentos técnicos profundos, capacidade de trabalho, honestidade, simpatia pessoal, modéstia quanto baste e um profundo amor a S. João da Madeira. Apresenta um conjunto de propostas que são as correctas para a nossa cidade e fazem jus à Visão de Futuro a que se arroga. Acompanha-se de uma equipa muito bem escolhida, equilibrada, com pessoas com experiência, competência e provas dadas nas suas vidas. E Jorge Sequeira candidata-se num contexto em que é o melhor colocado para concretizar os projectos e medidas que a nossa cidade precisa: age com independência, não está empenhado a ninguém, a nenhum grupo, nem sequer ao seu próprio Partido ou aos seus interesses pessoais. E já demonstrou (até pelo nível de convidados que apresentou em S. João da Madeira nesta campanha) que tem enorme influencia externa para poder defender e representar a nossa cidade a nível nacional, obtendo ganhos para a nossa causa comum.
Concluímos preliminarmente: Este é bom! Será que o outro é melhor?
Para vermos se Paulo Cavaleiro será melhor Presidente da Câmara do que Jorge Sequeira, temos que elencar o que já sabemos e o que precisamos de saber. Quem o conhece diz em seu favor que é respeitável, popular e que adora e sente S. João da Madeira. Respeitável é, seguramente. O resto é curto. A minha mãezinha também é popular, adora e também sente muito S. João da Madeira, mas tenho a certeza que não votaria nela para Presidente da Câmara.
Com certeza, certeza, sabemos que o Dr. Paulo Cavaleiro abandonou a sua profissão para se dedicar a tempo inteiro à política – nada de censurável nisso. Mas qual foi o resultado dessa sua acção política a tempo inteiro? Para além de ilustre deputado parlamentar na 6.ª fila bocejante da Assembleia da República, indaguemos o que fez enquanto vereador na Câmara Municipal, a tempo inteiro e com pelouros atribuídos (com algumas interrupções) há cerca de 16 anos? Não teria já tido tempo para resolver vários dos problemas importantes que agora se colocam à nossa cidade? Como se pode apresentar e dizer: “Agora é que vai ser!”?
Outras perguntas poderemos fazer (e cada qual terá que encontrar por si as respostas):
A quem pediríamos opinião sobre decisões importantes que tivéssemos que tomar na nossa vida? Ao Dr. Jorge Sequeira ou ao Dr. Paulo Cavaleiro?
A quem confiaríamos a gestão do nosso património pessoal? Ao Dr. Jorge Sequeira ou ao Dr. Paulo Cavaleiro?
A quem pediríamos que educasse os nossos filhos? Ao Dr. Jorge Sequeira ou ao Dr. Paulo Cavaleiro?
A quem passaríamos uma procuração irrevogável válida por 4 anos com plenos poderes para gerir os nossos negócios?
A quem pediríamos que nos representasse perante alguém que tivesse poderes para nos atribuir apoios ou meios para o que precisamos? Creio que até aqui o esforço de análise é fácil e a conclusão fica para que os indecisos se decidam. Mas há outras perguntas, que teriam que ser respondidas pelo próprio Paulo Cavaleiro e que me parecem muito importantes:
Por que é que o Dr. Paulo Cavaleiro, enquanto Presidente do PSD local, fez o que pôde para inviabilizar a recandidatura do actual Presidente?
Por que é que o actual Presidente da Câmara, apesar de trabalhar com Paulo Cavaleiro há vários anos e de o conhecer muito bem, não confiava nele para nº 2 da sua equipa? E porque é que o actual mandatário Castro Almeida, apesar de Presidente durante 12 anos também nunca colocou Paulo Cavaleiro como seu nº 2?
Por que é que dos actuais 4 representantes do PSD na Câmara Municipal (Presidente e 3 vereadores) apenas um deles apoia Paulo Cavaleiro (coincidentemente: ele próprio)?
Por que é que o actual Presidente da Assembleia Municipal, histórica figura do PSD local, autarca há várias décadas, não apoia Paulo Cavaleiro?
Será que o grupo que hoje comanda o PSD local – liderado pelo candidato – decidiu tomar o poder através da única forma que tinha disponível (uma vez que a modalidade de progressão pelo mérito pessoal não estava ao seu alcance)? Para concretizar a ambição desse grupo em dominar o nosso município e a do seu líder em ser Presidente da Câmara, não terá esse grupo, ao ver que o não conseguia com Ricardo Figueiredo, decidido removê-lo e escolher o mesmo meio de transporte escolhido pela protagonista da Farsa de Inês Pereira?
Bom, estas perguntas, se respondidas acertadamente poderão conduzir os sanjoanenses a não embarcar também nesse meio de transporte. Permitirão chegar a uma Visão de Futuro.
Eu já decidi. A alternativa pode ser uma pessoa respeitável e até trabalhadora. Mas não chega.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas