a informação essencial
Pub
Partilha

Festival sanjoanense concorre pelos prémios “Best Small Festival”, “Best Indoor Festival”, “Best Communication” e “Best Infrastructure”

Tags

“Party Sleep Repeat” finalista em quatro categorias

FOTO: Direitos Reservados
Partilha

Festival sanjoanense concorre pelos prémios “Best Small Festival”, “Best Indoor Festival”, “Best Communication” e “Best Infrastructure”

O “Party Sleep Repeat” 2016 passou a ser finalista de quatro categorias nos “Iberian Festival Awards”. Os vencedores são conhecidos a 16 de março numa gala em Barcelona.
O festival sanjoanense está entre os 10 finalistas das categorias “Best Small Festival” e “Best Indoor Festival” devido ao voto do público. Já os finalistas de “Best Communication”, “Best Infrastructure” e “Contribution to Sustainability” foram decididos pelo júri e revelados a 17 de fevereiro, sexta-feira passada, ao público. O festival sanjoanense está entre os finalistas das categorias “Best Communication” e “Best Infrastructure”.
O “Party Sleep Repeat” (PSR) 2016, organizado pela Associação Cultural Luís Lima (ACLL), está agora entre os 10 melhores festivais ibéricos nas categorias “Best Small Festival”, “Best Indoor Festival”, “Best Communication” e “Best Infrastructure” da segunda edição dos “Iberian Festival Awards” (IFA).
O PSR esteve nomeado em sete categorias, nesta segunda edição, “Best Small Festival” (Melhor Festival Pequeno); “Best Line-up” (Melhor Programação); “Best Indoor Festival” (Melhor Festival Interior); “Best Communication” (Melhor Comunicação); “Best Infrastructure” (Melhor Infraestrutura); “Contribution to Sustainability” (Contributo para a Sustentabilidade); e “Best Live Performance” (PT/ES) - PAUS (Melhor Atuação ao Vivo: pela atuação da banda PAUS no festival).
As duas novas nomeações nas categorias de “Best Communication” e “Best Infrastructure” são “ótimas notícias”, reagiu Tiago Valente dos Santos, presidente da ACLL, ao labor.
“Sendo que estivemos nomeados para estas categorias na anterior edição destes prémios, trata-se de um reforço da posição do PSR mostrando que não foi por acaso que existiram as nomeações anteriores”, afirmou Tiago Valente dos Santos, acreditando ser “um reconhecimento do espaço que escolhemos para organizar o festival e das condições que damos aos participantes através da Sala dos Fornos, na Oliva Creative Factory - isto referente ao Best Infrastructure”. Quanto à categoria de “Best Communication”, “é também um reconhecimento de muito do trabalho de qualidade que desenvolvemos há anos na cuidada comunicação que o festival faz através do conhecimento na área que temos dentro de ´casa´ cujo responsável é o Gonçalo Tavares Antunes e nomeadamente em parceria com a Check it Out Studio, do Porto”, salientou. “Mais, o PSR consegue arrecadar duas distinções dadas pelo público, mais duas distinções dadas pelo painel de júris internacional. Significa que somos reconhecidos pelo nosso público, pelas pessoas que frequentam o festival, mas também pelos nossos pares, pela nossa indústria, quer nacional, quer internacional”, sublinhou Tiago Valente dos Santos.
Cada uma das nomeações, duas do público e duas do júri, “dá uma reputação sólida ao festival nestas vertentes e demonstra que, indubitavelmente, somos um dos melhores festivais ibéricos de música”, destacou o presidente da ACLL, esclarecendo que todo o trabalho é “levado a cabo por uma organização voluntária e que afeta as receitas do evento a causas sociais”.
Todo este reconhecimento “é um acontecimento assinalável, não só para a Associação Cultural Luís Lima, mas também para a cidade de S. João da Madeira,” assume Tiago Valente dos Santos.
Apesar das quatro nomeações arrecadadas, tal como em 2016, “não é nossa intenção criar grandes expectativas relativamente a podermos vir a ter o melhor festival de entre os melhores”, esclareceu. “Como tal, sermos finalistas em quatro categorias distintas já é um grande prémio para toda a organização sendo que era esse objetivo definido e que conseguimos alcançar”, admitiu o presidente da ACLL com os pés bem assentes na terra. “Se, porventura, tiver a honra de subir novamente ao palco para aceitar o troféu será uma alegria enorme, mas não é um acontecimento que tomemos como fundamental porque no final do dia não é isso que nos move”, concluiu Tiago Valente dos Santos ao labor. 

Comentários

Pub

Notícias relacionadas