a informação essencial
Pub
Partilha

PSD/CDS aprovou as contas consolidadas com críticas à atitude do PS quando era oposição

Tags

O “ajuste” de contas

FOTO: Diana Familiar
Partilha

PSD/CDS aprovou as contas consolidadas com críticas à atitude do PS quando era oposição

O documento das contas consolidadas de 2017 foi aprovado unanimemente por PS e PSD/CDS na reunião de câmara para ser remetido à Assembleia Municipal e, posteriormente, ao Tribunal de Contas.
As contas da Câmara Municipal de S. João da Madeira são consolidadas desde 2010 com a empresa municipal Habitar, desde 2014 com a empresa municipal Águas de S. João e desde 2016 com a Sanjotec – Centro Empresarial e Tecnológico.
Para o vereador da oposição Paulo Cavaleiro, este é “mais um documento que, mais uma vez, demonstra que as contas eram (em mandatos anteriores liderados por PSD e PSD/CDS) e são boas”.
O documento de consolidação das contas de 2017 torna o “mito das boas contas” mencionado pelo PS no mandato anterior, quando era oposição, uma realidade em que as contas das empresas municipais são “equilibradas”, “estáveis” e a “reduzir o passivo”, destacou Paulo Cavaleiro, vereador da coligação PSD/CDS, reconhecendo a existência de “momentos com vários tipos de constrangimentos”, mas de resto “as contas são normais”.
O vereador da oposição relembrou ainda que os socialistas quando eram oposição “não nos deixaram aprovar as contas durante muitos anos apenas para criar perturbação ao executivo”. Enquanto “o PSD e o CDS mantêm o mesmo registo, o PS é que mudou em relação ao passado”, insistiu Paulo Cavaleiro.
“O PS não defendeu o interesse dos sanjoanenses” quando era oposição, acusou o vereador do PSD/CDS. Apesar de os elementos socialistas do executivo camarário serem diferentes dos que eram oposição, alguns que exerceram funções no mandato anterior continuam nos três órgãos autárquicos, recordou Paulo Cavaleiro. Por isso, “o período difícil que vivemos não deve ser esquecido”, frisou o deputado do PSD/CDS.
“A minha visão sobre essa matéria é que estamos num novo ciclo político, houve um julgamento que foi feito sobre esse tempo. Não esquecemos o passado, mas agora, de facto, a nossa missão é andar em frente e cumprir o nosso compromisso eleitoral” com a colaboração de todos e com respeito pelos interesses dos sanjoanenses, respondeu o presidente da câmara Jorge Sequeira.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas