a informação essencial
Pub
Partilha

Padaria da Avenida da Liberdade tem ex-utente da CERCI a estagiar na sua equipa

Tags

Não há Rosinha como a da “Rainha 5”

FOTO: Gisélia Nunes
FOTO: Gisélia Nunes
Partilha

Padaria da Avenida da Liberdade tem ex-utente da CERCI a estagiar na sua equipa

Quem a viu e quem a vê! Rosa Rocha, ou melhor a Rosinha, como é conhecida por todos, tem vindo a perder a timidez de dia para dia. “Melhorou muito”, disseram à nossa reportagem Artur Rocha e Nelson Martins referindo-se à sua estagiária de 24 anos, oriunda de Escariz (Arouca).
Foram estes dois empresários que em 2017 abriram as portas da sua confeitaria e padaria situada na Avenida da Liberdade, em S. João da Madeira, a esta agora ex-utente mas na altura formanda da CERCI - Cooperativa para Educação e Reabilitação de Cidadãos com Incapacidade. Rosinha fez a componente de formação prática em contexto de trabalho do curso de Técnico Auxiliar de Hotelaria, que frequentou durante cerca de dois anos na CERCI sanjoanense, precisamente na “Rainha 5”.
A ligação da jovem portadora de deficiência a esta empresa remonta a essa altura, fortalecendo-se depois com “um estágio pós-formação” e agora ainda mais com um estágio profissional do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), remunerado, que Rosinha começou a fazer no início de maio e que pode muito bem terminar na sua contratação daqui a um ano. Pelo menos, foi o que deu a entender Artur Rocha ao dizer: “o serviço de cafetaria já o faz quase todo, sem problema. Por isso, acho que daqui a um ano ou dois estará muito mais à vontade”.
“Pressupostos à parte”, a verdade é que em poucos meses Rosinha já conquistou o coração e o respeito, quer dos donos, quer dos clientes da “Rainha 5”. Todos, sem exceção, estimam-na muito e veem-na como uma profissional “empenhada” e “responsável”, “qualidades” que se estendem à sua vida pessoal. Imagine-se que, enquanto esteve a tirar o curso na CERCI, “acordava muito cedo para deixar a comida pronta para o pai e vinha às seis e tal da manhã para S. João da Madeira porque os transportes públicos entre a zona onde mora e a cidade não são muitos”, contou ao labor Sandra Oliveira, coordenadora da Formação Profissional da CERCI.
“É uma menina excelente, ‘super educada’ e isto deixa-nos muito contentes e orgulhosos”, afirmou, por sua vez, Artur Rocha, para quem “pessoas válidas como a Rosinha devem ser realmente aproveitadas para o mundo do trabalho”.

Primeiro estágio profissional na área da hotelaria
Em conversa com o jornal, Sandra Oliveira não escondeu a satisfação por este ser o “primeiro estágio profissional que conseguimos na área da hotelaria”. A coordenar a Formação Profissional da CERCI há cerca de 15 anos, a responsável “tem sentido na pele” o peso da burocracia que envolve todas estas questões, mas também a indiferença das empresas perante a diferença de quem é deficiente.
Além de Técnico Auxiliar de Hotelaria, neste momento com duas turmas, a CERCI também tem o curso de Operador de Fabrico de Calçado e Marroquinaria. É, aliás, neste último que “temos tido mais dificuldade de integração”, o que não deixa de ser irónico visto S. João da Madeira ser conhecida como a “capital do calçado”. “Tem sido muito difícil. [As empresas] Chegam ao cúmulo de às vezes nem sequer responderem aos emails que enviamos para pedir simplesmente uma reunião de apresentação do que pretendemos”, lamentou.
Por estas e por outras razões, Sandra Oliveira não poupou elogios a Artur Rocha e Nelson Martins: ao ajudarem “na promoção da desmistificação do conceito deficiência”, são “exemplos para a sociedade geral, que tem que mudar mentalidades”.
“São pessoas destas que são necessárias, pessoas que acreditam nas competências das pessoas com deficiência”, reforçou a ideia, não esquecendo também o bom exemplo dado pela empresa de calçado “Nimco Portugal”, com instalações em Cesar (Oliveira de Azeméis), que há poucos meses contratou Nuno Ribeiro, ex-formando do curso de Operador de Fabrico de Calçado e Marroquinaria da CERCI.
A psicóloga ainda chamou a atenção para o “papel” das famílias e do IEFP, que foi fundamental para o sucesso destes dois casos de integração.
A título de curiosidade, registe-se que, com o dinheiro do estágio, Rosinha vai tirar a carta de condução.

Comentários

Pub

Notícias relacionadas